compartilhe:

Satélite Comunidade sobe a serra e visita capital paulista


As mais de 100 crianças que integram o Projeto Satélite Comunidade visitaram a cidade de São Paulo, mais especificamente o Parque do Ibirapuera, no dia 23 de maio. Além de conhecer a capital paulista, o principal motivo do passeio era a 10ª edição do“Viva a Mata: Encontro Nacional pela Mata Atlântica”, evento com diversas atrações culturais e educativas em prol da preservação da Mata Atlântica.

 

Para a maioria das crianças era a primeira vez que visitavam a capital paulista, e para grande parte, era a primeira vez que deixavam Itanhaém. Tudo era muito novo e o clima de euforia era contagiante.

 

Um dos primeiros stands visitados tratava sobre a reciclagem do lixo e a importância de manter os mares e rios limpos para a preservação da vida. No stand ao lado, a grande diversidade da fauna marinha era mostrada e as crianças puderam pintar um quadro com o animal aquático que quisessem. Tubarões e golfinhos tiveram a maior audiência, seguido de polvos e cavalos-marinhos. Ao final da atividade, as crianças puderam levar os quadros para casa.

 

No meio da tarde, as crianças assistiram a uma peça de teatro educativa que mostrava os efeitos que a poluição poderia causar no dia a dia das pessoas e como pequenas ações poderiam transformar o mundo ao nosso redor. Atentos à apresentação, os olhinhos estavam arregalados diante do palco e muitas gargalhadas preencheram o ambiente.

 

Outro stand campeão de audiência foi o “Espaço Floresta”, onde as crianças eram vendadas, entravam descalças ouvindo sons da natureza e tinham diversas experiências sensoriais, sempre guiadas por um monitor, tocavam em diversos tipos de plantas e sementes, pisavam em um solo repleto de folhas secas e sentiam o cheiro de ervas como alecrim e hortelã.

 

Essa foi a experiência mais legal para Alisson, de 10 anos. “Eu entrei lá, passei pelos matos, subi a ponte, senti uma chuva, senti os cheiros das plantas também”, narra o garoto. Ele complementa dizendo que aprendeu “muita coisa, como cuidar da mata, não jogar lixo no rio e respeitar os animais”.

 

Já o garoto Raryson, também de 10 anos, elegeu a pintura como a atividade que mais gostou, seguida do teatro. “Gostei muito de pintar e do teatro, eu ri bastante. O cachorro era muito engraçado”, contou timidamente. Ele pintou um tubarão martelo e ficou orgulhoso do quadro que levou para casa.

 

Esta viagem certamente representou muito para essas crianças. Além de terem se enriquecido culturalmente, foi uma oportunidade rara de lazer e turismo para quem normalmente vive uma vida de privações. E quanto ao meio ambiente, este pode ficar mais aliviado, já que pode contar com mais 100 defensores no time!

Veja as fotos do passeio neste link.